Hoje (27) tem festa vicentina da Medalha Milagrosa direto de Roma

A partir das 13h (horário de Brasília), vicentinos do mundo todo são convidados a celebrar a Festa Litúrgica de Nossa Senhora das Graças da Medalha Milagrosa, junto com o sucessor de São Vicente de Paulo, padre Tomaž Mavrič. Ele presidirá a celebração direto de Roma (Itália). A transmissão será pelo Facebook @SuperiorGeralCM

A festa este ano tem uma simbologia ainda mais especial. São comemorados os 190 anos da aparição de Nossa Senhora a Santa Catarina de Labouré, que era vicentina, membro da Companhia das Filhas da Caridade (fundada por São Vicente de Paulo e Santa Luísa de Marillac).

Na semana passada, o Papa Francisco recebeu o padre Tomaž Mavrič e abençoou uma imagem da Virgem da Medalha, que percorrerá a Itália neste mês.

 

A DEVOÇÃO A NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS. A primeira aparição a Virgem à Irmã Catarina foi no dia 18 de junho de 1830. As duas conversaram por mais de duas horas. Ao final, Nossa Senhora disse que retornaria para confiar à vicentina uma missão.

O segundo encontro foi no dia 27 de novembro do mesmo ano. Suas mãos, à altura do coração, seguravam um pequeno globo de ouro, coroado com uma pequena cruz. Levava nos dedos anéis com pedras preciosas que brilhavam e iluminavam em toda direção.

A Virgem olhou para Santa Catarina e lhe disse: “O globo que vês representa o mundo inteiro, especialmente a França e cada alma em particular. Estes raios são o símbolo das graças que Eu derramo sobre as pessoas que me pedem. As pérolas que não emitem raios são as graças das almas que não pedem”.

O globo de ouro que a Virgem Maria estava segurando se desvaneceu e seus braços se estenderam abertos, enquanto os raios de luz continuavam caindo sobre o globo branco dos pés.

Nesse momento, formou-se um quadro oval em torno de Nossa Senhora, com as seguintes palavras em letras douradas: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós”.

Então, Maria pediu que Catarina mandasse cunhar a medalha, segundo o que estava vendo.

A aparição girou e no reverso estava a letra “M” encimada por uma cruz que tinha uma barra em sua base, a qual atravessava a letra. Embaixo figurava o coração de Jesus, circuncidado com uma coroa de espinhos, e o coração de Nossa Senhora, transpassado por uma espada. Ao redor havia doze estrelas.

A manifestação voltou a acontecer por volta do final de dezembro de 1830 e princípio de janeiro de 1831.

Ainda na aparição de 27 de novembro, Nossa Senhora disse à Santa Catarina: “Fazei cunhar uma medalha conforme este modelo. Todos os que a usarem, trazendo-a ao pescoço, receberão grandes graças. Estas serão abundantes para aqueles que a usarem com confiança”.

Em 1832, o Bispo de Paris autorizou a cunhagem da medalha e assim se espalhou pelo mundo inteiro. Inicialmente a medalha era chamada “da Imaculada Conceição”, mas quando a devoção se expandiu e se produziram muitos milagres, foi chamada “Medalha Milagrosa”, como é conhecida até nossos dias.

 

Fonte: Redação do CM Formiga