O que Nossa Senhora das Dores tem a ensinar aos vicentinos nesta pandemia?

Nossa Senhora das Dores é um dos títulos dados à Maria, evidenciando o papel dela de mãe que sofreu junto com o filho Jesus aos pés da cruz, mas confiante na promessa da ‘Ressureição’. Nesta terça-feira (15), a Igreja celebra a memória da Mãe Dolorosa.

O gesto de Maria, na opinião do padre Pedro Felisberto Ferreira (Assessor Espiritual do Conselho Metropolitano de Formiga), é um ensinamento para que os cristãos perseverem na fé. “Nossa Senhora das Dores é aquela que não perdeu a esperança; viveu sua fé na integridade do amor a Deus que é Pai, dando sua vida inteiramente para que o Verbo encarnasse no seu ventre para nos dar a vida e salvação”.

Historicamente, uma semelhança une Nossa Senhora e os vicentinos: a visita. Maria, quando recebe de Deus o chamado para ser a Mãe do Seu Filho, apressadamente vai à casa da prima Isabel levar-lhe a presença de Deus, promovendo o encontro de Jesus com João Batista. Da mesma forma, os confrades e consócias, quando visitam os Pobres assistidos pelas Conferências, repetem o mesmo gesto.

Neste tempo de pandemia, quando muitas famílias estão em estado de profundo sofrimento, principalmente àquelas que perderam um ente querido vítima da Covid-19, Nossa Senhora das Dores deve ser um exemplo para os cristãos. “Maria, aos pés de Jesus, intercede e nos ensina a viver este tempo novo. A acolher os irmãos, mesmo não podendo abraçá-los, mas escutá-los. Afinal, a visita não está impedida. Têm muitas famílias precisando de escuta e uma palavra de esperança”, complementa padre Pedro.

O Assessor Espiritual do CM Formiga pede que os membros da SSVP saibam ouvir. “Maria foi mãe de Jesus porque escutou a voz do Pai. Escutar o outro é escutar a voz de Deus. Que Nossa Senhora das Dores, neste tempo de dor, nos mostre o caminho da esperança e paz; a vontade de vencer e superar”.

 

Fonte: Redação do CM Formiga