SSVP: 150 anos de compromisso com um Brasil menos desigual

A SSVP está de aniversário. A instituição completa nesta quinta-feira 150 de implantação em solo brasileiro.

Após as cerimônias religiosas em louvor a São Vicente de Paulo, celebradas na Capela da Santa Casa de Misericórdia no Rio de Janeiro, no dia 19 de julho de 1872, alguns leigos foram convidados pelos padres Lazaristas para jantar no Seminário Diocesano de São José.
Naquele jantar se encontravam, entre outros, o conceituado médico Dr. Pedro Fortes Marcordes Jobim, o ilustre advogado Dr. Antônio Socioso Moreira de Sá e o Dr. Francisco Lemos Farias Coutinho – Conde de Aljezur – um fidalgo a serviço de D. Leolpodina, a imperatriz do Brasil.
Depois do jantar, um dos presentes, motivado, talvez, pelas celebrações em louvor ao ‘Pai da Caridade’, referiu-se às maravilhosas obras que, em diversos países, a Sociedade de São Vicente de Paulo vinha desenvolvendo em favor dos Pobres, e acrescentou que estava realmente surpreso em saber que não existia, ainda, uma Conferência Vicentina instalada no Brasil – o grande país católico da América do Sul, onde as condições de vida dos menos afortunados reclamavam de imediato a ação caritativa.
Diante de tais ponderações e movidos por inspiração divina, o Conde de Aljezur, o fundador da primeira Conferência em Portugal, e os confrades Pedro Jobim e Antônio Secioso, que já haviam frequentado Conferências na Europa, decidiram, então, fundar uma em terras brasileiras.
E, assim, no dia 4 de agosto de 1872, instalava-se, no Seminário Diocesano do Rio de Janeiro, a Conferência São José, a primeira do Brasil que, além de seus fundadores, contava ainda com outros confrades.
Durante a sessão foi eleito presidente o confrade Aljezur, que nomeou os confrades Pedro Jobim, para secretário, e Antônio Secioso para tesoureiro.
A Conferência de São José foi agregada em 16 de novembro de 1872, embora algumas publicações considerem 16 de dezembro de 1872 como a data de agregação.